Conceito da Física Quântica

Autoconhecimento

Física Quântica ou Mecânica Quântica, também conhecida como Ciência da Incerteza, é uma área da física que estuda o comportamento das partículas subatômicas (os tijolinhos usados para construir o Universo) para compreender o micro-cosmos e dessa forma, entender o funcionamento do macro-cosmos, ou se preferir, entender os segredos do Universo.

Através de um experimento chamado “Experimento da Dupla Fenda”, foi observado que um elétron (e as demais partículas subatômicas), se comporta ora como onda, ora como partícula (quando na presença de um observador), permitindo ao longo da evolução desses estudos, constatar que tudo o que compõe o Universo são ondas de informação que se materializam em partículas.

Todos os elementos existentes são onda e partícula ao mesmo tempo. A Física Quântica mostrou que tudo é energia em diferentes níveis de vibração sendo que, quanto mais baixo o nível de vibração, mais denso o elemento, o que chamamos de matéria ou energia condensada.

Esse conhecimento proporcionado pela Física Quântica, possibilitou um grande avanço na tecnologia. Se hoje você lê esse texto pela internet, se comunica através do seu telefone celular, sintoniza uma rádio ou assiste a um programa de televisão, é graças às descobertas proporcionadas pela Física Quântica.

O surgimento da Física Quântica virou de cabeça para baixo os paradigmas da Física Clássica de Isaac Newton, chegando a tirar o sono de gênios como Albert Einstein.

Hoje, ela traz respostas que seriam impossíveis de se obter através do conhecimento exclusivo da Física Newtoniana.

1 – FÍSICA QUÂNTICA INFORMACIONAL

Como citei anteriormente, os conhecimentos proporcionados pela Física Quântica ficaram restritos ao desenvolvimento das tecnologias de telecomunicações e, infelizmente, da indústria bélica, permitindo genocídios como os produzidos pelas bombas atômicas, que dizimaram as cidades de Nagazaki e Hiroshima, ocasionando um dos episódios mais tristes da história da humanidade.

Assim como a Física Quântica quebrou uma série de paradigmas da Física Clássica, a Física Quântica Informacional vem fazendo o mesmo dentro da Física Quântica.

Física Quântica Informacional é a área da Física Quântica voltada ao desenvolvimento da qualidade de vida do ser humano, ao mostrar a interação entre a Física Quântica  e a Neurociência.

Em outras palavras, é a comunicação das ondas de informação que compõem o Universo com a mente humana, para gerar resultados fundamentais como saúde física, emocional, financeira, profissional, enfim, em todos os campos da vida, resultando na conquista da vida plena por parte de quem detém esse conhecimento muito restrito ainda.

Não é por acaso que 1% da população mundial detém 96% de todo o dinheiro que circula no mundo. Não é por acaso que pessoas acham loucura imaginar que um câncer possa ser curado sem uso de rádio ou quimioterapia. Não é por acaso que poucos acreditam que pessoas vivam anos sem ter um simples resfriado mesmo não tomando remédios ou precauções extremas com a saúde, utilizando-se apenas da mente para isso (esse é o meu caso, além da cura definitiva de uma bronquite e asma alérgica que me incomodou por quase 40 anos).

Além de não ser por acaso, não é interessante para a indústria farmacêutica e para aqueles que detêm o poder, abrirem mão dessa, quase exclusividade de conhecimento, dividindo o bolo e os lucros.

Infelizmente, quem pensa assim ainda não compreendeu a verdadeira forma de gerar os verdadeiros resultados através da Física Quântica, em especial, a Física Quântica Informacional.

Não compartilhar o que é importante para a maioria, é adiar o próprio sofrimento.

Para entender o que eu quis dizer acima, é preciso entrarmos em um ponto importante da Física Quântica Informacional: a Lei da Atração.

2 – LEI DA ATRAÇÃO

Caro leitor, a Lei da Atração descrita no livro e filme “The Secret”, tem fundamentação científica pela Física Quântica Informacional. Infelizmente, o livro e o filme, retrataram o temo de uma forma um pouco forçada, equivocada, algo que, ao que parece, foi feito com fins comerciais. Não obstante, apesar de terem floreado e fantasiado em cima da Lei da Atração, essa Lei existe e pode fazer a grande diferença na sua vida.

Vamos compreender com um olhar mais científico, a maneira como foi abordado esse assunto em “The Secret”, com base nas descobertas da Física Quântica, passo a passo:

  • O Universo, das estrelas mais distantes ao seu coração, é composto por átomos;
  • Átomos são compostos por partículas subatômicas. Ex.: elétrons, prótons, quarks, etc.;
  • Partículas subatômicas são ondas de informação e partículas ao mesmo tempo, portanto, informação e matéria simultaneamente;
  • Tudo o que existe, portanto, são ondas de informação que viram partículas, quando observadas por uma consciência (Experimento da Dupla Fenda);
  • Assim sendo, pensamentos são ondas de informação que se propagam da mesma forma que ondas de rádio, telefonia celular, televisão, etc.;
  • Todas as ondas de informação são partículas ao mesmo tempo, ou seja, se materializam;
  • Conclusão: “Pensamentos materializam coisas” e essas coisas, vão de saúde física e emocional ao dinheiro, passando por conquistas profissionais e relacionamentos.

Chegamos à explicação mais simples sobre a veracidade da Lei da Atração.

3 – FREQUÊNCIAS

Para finalizarmos, basta lembrar que, para sintonizar uma determinada emissora de rádio ou TV ou ligar para o telefone celular de alguém, é necessário sintonizar a frequência certa, teclando os números certos do que queremos sintonizar, seja no controle remoto da sua TV ou na tecla do seu celular, e a informação entre os dois equipamentos, fluirá de um para o outro, por estarem na mesma frequência.

Na Física Quântica Informacional é a mesma coisa. O Universo é um campo eletromagnético, ou seja, você envia algo que retornará para você.

Veja o caso do celular: primeiro você disca o número, enviando uma onda para sintonizar uma frequência e depois, ao ser atendido pela pessoa que você buscou conexão, retorna para o seu aparelho a resposta do aparelho chamado.

No caso da mente humana, os pensamentos que enviamos causam o mesmo efeito, através das ondas de pensamentos, que se conectarão com o “que” ou “quem” estiver nessa frequência de sentimentos emitidos pela sua mente emissora.

Portanto, se pensamentos materializam coisas, observe seus pensamentos. Eles geram sentimentos que atrairão algo semelhante ao que você tem emitido.

4 – FÓRMULA DA FELICIDADE PLENA

Com base nas descobertas da Física Quântica Informacional, para atrairmos tudo o que há de melhor no Universo, é necessário antes, emitirmos algo na mesma frequência.

A fórmula da felicidade plena é: AMOR + FELICIDADE + GRATIDÃO + CERTEZA (ou FÉ) = o Universo respondendo “SEU DESEJO É UMA ORDEM !!!”

Por fim, o que purifica ou contamina o homem, é o que sai da sua boca porque isso procede do seu coração. Seria coincidência essa famosa frase ?

Para saber mais, assista abaixo, um vídeo sobre esse mesmo tema. Aproveite, também, e acompanhe as atualizações que farei frequentemente, lendo, se informando e compartilhando com as pessoas que precisem de informações como essas, tudo nosso conteúdo exclusivo. Até mais !!!

Comunicação para Líderes

A comunicação pode ser definida como o processo de comunicar uma ação, um comando para gerar um movimento na direção de algo, para que alguma coisa desejada se concretize.

Todo ser humano, mesmo que inconscientemente, está se perguntando o tempo todo, diante das mais diversas situações, se o que se apresenta à sua frente está associada à dor ou ao prazer. A pergunta sucessora dessa primeira questão, busca responder “como” fugir da dor e conseguir o “prazer”.

No final das contas a comunicação busca, justamente, em todas as situações, a fuga da dor e a conquista do prazer em uma situação, ambiente, atividade específica, etc..

Mesmo quando recém nascidos, os seres humanos se comunicam com essa finalidade, quando comunicam sua fome através do choro ou se acalmando quando conseguem colo. Percebam que as mães geralmente conseguem distinguir se o choro do bebê está relacionado à fome, dor, enfim, interpretam o “idioma” do choro dos seus filhos para oferecerem “fuga da dor” e “conquista do prazer”. Na fase adulta, nossa comunicação segue o mesmo caminho, apenas substituindo o choro por palavras e fisiologia (uso do corpo e entonação de voz).

Segundo estudos, na comunicação, cujo maior objetivo é se fazer entender, 7% do êxito está no uso das palavras, 38% na entonação de voz e 55% na utilização do corpo, com gestos, movimentos, olhares, expressões faciais, ou seja, 93% da eficiência na arte de se comunicar está na fisiologia do comunicador.

Por que isso ocorre ?

Isso ocorre porque a comunicação, ao contrário do que a maioria pensa, não é a transferência de informações, mas de emoções.

Eu defino comunicação como a ação de transferir emoções com informações embutidas.

As emoções estão ligadas à imaginação. A imaginação é a ação de produzir imagens na própria mente. Quanto maior a emoção ligada à imagem produzida na sua mente, maior o poder de gravação definitiva dessa informação. Para comprovar o que escrevo, basta você buscar uma lembrança que tenha gerado uma grande emoção para você, percebendo o quanto você consegue se lembrar de detalhes como o lugar onde você estava, o que fazia, com quem fazia, enfim, detalhes que em uma experiência com pouca emoção embutida, seriam apagados facilmente.

Exemplificando:

1 – Tente lembrar de um momento recente, onde houve pouca emoção envolvida. Ex.: o que você almoçou à sete dias ?

2 – Tente lembrar de um momento mais remoto, onde houve muita emoção envolvida: Ex.: “onde você estava quando recebeu a notícia do falecimento do piloto brasileiro Ayrton Senna ?” ou “onde você estava quando teve contato com as imagens dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001 ?”.

Perceba que, provavelmente, se lembrar dos detalhes das perguntas sobre eventos com maior carga emocional, mesmo ocorridos há anos ou décadas, são mais fáceis do que se lembrar de algo corriqueiro ocorrido há uma semana.

1 – Comunicação do Líder – EMOÇÃO 

O primeiro passo para que alguém se torne um líder de fato, é a capacidade de vender sua imagem às pessoas à sua volta. A venda da própria imagem está diretamente ligada à capacidade de comunicação de cada um, então a comunicação é a transferência de emoção. Um líder precisa ser alguém dotado da capacidade de emocionar seus liderados.

Vejo muitas pessoas dizerem: “sou um líder extremamente racional…”. Nada mais ilusório do que essa frase. Segundo um dos maiores neurocientistas da atualidade, o português Antônio R. Damásio, “…somos seres emocionais que pensam.”.

Ora, se somos seres emocionais, se a emoção comanda a atitude, que molda o comportamento, que constrói as capacidades, que geram os resultados, que produzem as crenças e que estabelecem a identidade de alguém, um líder nunca poderá ser “extremamente racional”.

Me mostre um grande líder da história, em qualquer área, em qualquer época, e mostrarei discursos e atitudes com forte carga emocional. Vejamos:

Martin Luther King Jr.: Se um homem não descobriu nada pelo qual morreria, não está pronto para viver.”

Mahatma Gandhi: “A força não provém da capacidade física. Provém de uma vontade indomável.”

William Wallace: “Eles podem tirar nossas vidas, mas nunca poderão tirar nossa liberdade.”

Steve Jobs: “Cada sonho que você deixa pra trás, é um pedaço do seu futuro que deixa de existir.”

Perceba que esses nomes que revolucionaram o mundo e comportamentos, tinham em suas palavras e atitudes, uma carga emocional muito forte. O mito por trás de cada um desses nomes está diretamente ligado à capacidade de provocar emoção em seus discursos e atitudes.

2 – Comunicação do Líder – ASSERTIVIDADE

 Outro fator fundamental na comunicação de um líder, está na assertividade do que emite. Nenhuma emoção é transmitida de forma duvidosa. A certeza na comunicação é a certificação da emoção emitida.

Para isso, o líder precisa falar de forma afirmativa. Vejamos:

No lugar de “não quero que vocês temam o futuro”, pode-se afirmar “tenham coragem nas situações que virão”; no lugar de “eu acho que talvez não seja ideal nos omitirmos” por “precisamos deixar claro nossa posição”; no lugar de “eu não creio que com dúvidas sobre nossa capacidade, poderemos chegar onde queremos” por “é com a certeza de que somos capazes, que chegaremos onde merecemos chegar”.

Perceba a carga emocional que uma afirmação impõe à comunicação. Você seguiria um líder sem convicção ?

3 – CUIDADO COM AS GENERALIZAÇÕES E OMISSÕES

Certa vez, assisti a uma entrevista com o ex-árbitro de futebol José Roberto Wright, em que ele dava a seguinte dica aos futuros árbitros: “Nunca tente adivinhar o que o jogador vai fazer…espere a definição do lance para tomar uma atitude…”.

Ao dizer isso, de certa forma ele chamava a atenção para os perigos da generalização nos contatos humanos.

Uma vez que temos o nosso modelo mental, que é a forma como “interpretamos o mundo”, não da forma como ele é, mas como nós somos e como nós estamos e que essa interpretação está embasada nas nossas experiências vividas, tendemos a generalizar com base no que vivemos no passado, todos os fatos da nossa vida.

Isso pode levar à omissão de informações na comunicação, quando temos claramente em nossa mente o que queremos transmitir e, por acidente, nossa mente “fala” mais rápido que nossa boca. Isso causa situações bizarras como: “pegue o troço de coisar o treco, ao lado do negócio”. Para quem fala, por generalização, o “troço”, “coisar”, “treco” e “negócio” estão bem claros, já que as imagens vem à mente espontaneamente, embasadas no que o comunicador já viu anteriormente e resolveu chamar por esses nomes. Já o receptor, caso não peça esclarecimentos, pode imaginar outro “troço”, “coisar”, “treco” e “negócio”, levando à uma distorção enorme entre o que foi solicitado e o que foi entregue. Isso causa muitas falhas na comunicação e problemas de relacionamentos.

A comunicação assertiva e efetiva para gerar resultados é uma responsabilidade de todos os envolvidos nesse processo. Ao receptor que não entendeu a mensagem com clareza, cabe solicitar informações mais específicas. Ao emissor, perguntar da seguinte forma: “entendeu o que eu quis dizer ?”; no caso de uma resposta afirmativa, continuar da seguinte maneira: “para que EU me certifique de que não me esqueci de dizer nada, repita, por favor, o que você entendeu…”; É importante repetir esse processo até o receptor da mensagem reproduzir exatamente o que o emissor quis transmitir, após recapitular pacientemente, a mensagem que se deseja transferir.

Muitas pessoas adquirem a maestria na comunicação em um curso que ministro, chamado POWER COMUNICAÇÃO. A teoria e a prática é colocada em prova em todas as etapas e a gravação de todas as fases de cada aluno durante o curso, permitem conferir, após a conclusão do mesmo, toda a evolução alcançada durante o desenvolvimento da excelência em comunicação.

Continue atento às novidades do nosso blog e compartilhe essa e outras informações fundamentais para que você e as pessoas que você conhece, possam se desenvolver mais e mais, afinal, agregar valor ao próximo é a grande sacada da vida…

Como controlar a ansiedade

Para iniciar esse post, antes, faz-se necessário definir objetivamente o que é a ansiedade. Ansiedade é um sentimento que antecede uma situação real ou imaginária, gerando reações biológicas no corpo humano que interferem, consequentemente, na mente, uma vez que mente e corpo estão interligados.

Esse é um mal que aflige muitas pessoas nos dias de hoje. Há uma busca desesperada para descobrir como controlar a ansiedade.

Antes de prosseguirmos, é necessário entender que a ansiedade é algo natural e necessário quando, sob controle. A ansiedade sob controle pode ser canalizada para maximização de performance e obtenção de resultados.

O problema é quando, como o fogo, a ansiedade sem controle torna-se um incêndio na vida de uma pessoa, queimando todas as suas energias que deveriam estar direcionadas para aproveitar a vida da melhor maneira.

Um grande problema, é que as pessoas costumam perguntar o “por quê” dos fatos estarem acontecendo dessa ou daquela maneira, ao invés de perguntar “como” agir para reverter tal questão. Essa simples alteração, muda o foco do problema para a solução, alterando os sentimentos, as emoções, as atitudes e, consequentemente, os resultados.

Então, já aproveitando o gancho dessa introdução, vamos aos 3 passos infalíveis (caso você coloque em prática o que vai ler aqui) para descobrir como controlar a ansiedade:

 

1 – FOCAR CERTO

A questão aqui é simples. Foco no problema ou na solução ? A frase a seguir pode mudar a sua vida positivamente, lembre-se: “onde estiver seu foco, ali estará o seu resultado”.

Quando escrevi sobre trocar o “por que” pelo “como”, falei do trocar o “por que tudo isso só acontece comigo…”, “por que sempre falho…” pelo “como fazer para obter…”, “como ser mais…” e por aí vai. Perceba que as perguntas direcionam ao seu foco. Se focar no problema, só problemas serão encontrados ao passo que, se focar na busca por soluções. Querer bem-estar e focar no problema é o mesmo que um arqueiro querer acertar no alvo enquanto mira na direção oposta a ele.

Portanto, desculpem a redundância proposital, foco no foco e focarás o que obterás!!!

 

2 – DAR O SIGNIFICADO CORRETO AOS FATOS

Como controlar a ansiedade se vejo todos os fatos da minha vida como ameaça ao meu bem estar? Esse segundo tópico está diretamente ligado ao primeiro.

Ao encarar algo como problema, automaticamente altero o meu estado emocional de forma a direcionar todos os sentimentos na direção de quem tem um problema.

Todos os fatos trazem aprendizados e encará-los dessa forma ao invés de vê-los como uma tragédia, por si só, já faz uma mudança enorme na qualidade de vida de uma pessoa. As pessoas têm o poder de focar e dar significado aos fatos e, por mais que pareça fácil escrever isso, digo que difícil é não aplicar isso e viver refém da ansiedade e outros padrões de sentimentos decorrentes dela.

 

3 – CRIAR A PRÓPRIA RALIDADE SUBJETIVA

Aqui sim, um conhecimento primordial para descobrir como controlar a ansiedade. Nossos pensamentos criam nossa realidade. Mais uma vez, percebam que um tópico está interligado ao outro.

Eu transfiro para esse assunto, uma lei da Física Quântica chamada: Lei da Incerteza. Analise o que é a ansiedade e reflita sobre o que você irá ler a seguir:

Quando penso em algo futuro, penso em algo que ainda não aconteceu. Então, penso em uma incerteza. Tudo o que eu imaginar relacionado à um fato futuro será a minha realidade subjetiva. Eu tenho o poder de imaginar o que eu quiser. O grande problema está em focar (lembram do primeiro tópico?), em imaginar que tudo vai dar errado.

Qual a certeza que tenho? Já ocorreu com você, de se preocupar tanto com um problema futuro que não se concretizou?

Não se trata da velha máxima de pensar positivo. Quando crio uma realidade positiva e, principalmente, direcionada às soluções, determino à minha mente para que busque registros na minha memória inconsciente de experiências que passei e que possam ser aplicadas para a obtenção da solução para o desafio à minha frente.

Projetar problemas inexistentes ao futuro é ampliar o desespero e impedir a minha mente de descobrir como controlar a ansiedade.

 

MIRE NO ALVO!

O entendimento e aplicação desses três tópicos são fundamentais para a aquisição de uma excelente qualidade de vida e também, da resposta à pergunta “como controlar a ansiedade?”.

Uma mudança ocorre de dentro para fora e muitas vezes, é necessário forçar a aplicação dos conhecimentos obtidos, mesmo que a pessoa não tenha ânimo para isso inicialmente por conta do momento emocional por que passa. Forçar um hábito positivo. Se a pessoa não se der pelo menos à chance disso, não adianta esperar que a solução venha de fora.

O problema é que as pessoas buscam respostas fora enquanto as soluções estão dentro de cada um de nós. Busque apoio sempre, afinal, somos seres sociais, principalmente de profissionais preparados para direcioná-lo ao resultado que almeja, porém, lembre-se, superar um obstáculo só cabe a você e para isso, significado, foco e assumir o controle sobre sua realidade subjetiva permitirá a você, descobrir como controlar a ansiedade. Entrarei mais a fundo no assunto em outras postagens que ampliarão essa compreensão.

Benefícios do Amor

A chamada “vida plena”, pode ser medida pela capacidade de amar que cada ser humano expressa em suas atitudes. Muitos confundem o significado do amor. Isso é compreensível quando falamos de algo abstrato.

O amor é a extrema empatia, a vontade de proporcionar ao outro, nossas melhores e mais gostosas experiências, enfim, produzir para o mundo, aquilo que mais nos agrada quando nos fazem algo. Essa é a régua do amor.

Quando abordo o amor, falo do amor fraternal, em tempo integral e incondicional. O amor citado em tantos livros sagrados, sendo essência da maior religião ocidental, o cristianismo.

Muitos dizem que o amor faz sofrer. Na verdade, algo tão perfeito, maravilhoso e gostoso de se sentir, não pode conduzir ao sofrimento. O sofrimento ocorre em decorrência da má compreensão e ausência do amor. Lembre-se de quando praticou o “bem” ao próximo, sem querer nada em troca, pela simples vontade de ajudar. Como você se sentiu ao ter sido útil à alguém? A grande maioria, diz ter se sentido muito bem. Esse é o seu caso?

Esse sentimento tão bom, ocorre porque, quando praticamos o amor, somos “recompensados” pelo nosso organismo, com a produção de substâncias como a serotonina, endorfina, entre outras, substâncias essas, que promovem o bem estar e a saúde. Qualquer momento em que praticamos algo oposto ao amor, sofremos, entramos em conflitos com outras pessoas, nos estressamos e produzimos, desenfreadamente, substâncias como o cortisol, prejudiciais à nossa saúde física.

O amor traz consigo uma série de acessórios maravilhosos como atenção, compaixão, caridade que exterioriza efetivamente esse sentimento e, principalmente, o perdão.

Ao perdoarmos, nos livramos de uma prisão em que nos encarceramos, ao condenarmos o próximo. O perdão não só aos outros, mas a nós mesmos.

Dizem que a vingança é um prato que se come frio. Eu concordo e acrescento um único detalhe: é um prato de veneno.

Talvez, o auto perdão seja até mais difícil do que perdoar aos outros, porque quando nos condenamos, não nos permitimos a dúvida, uma vez que sabemos bem o que reside em nosso íntimo.

Mas e daí?

Uma pessoa não é o seu passado, seus erros e acertos em algum momento longínquo da linha do tempo. Somos mais que isso. Somos vida, somos transformação, somos inúmeras possibilidades, alternativas e oportunidades de nos recriarmos, somos uma célula divina e única que compõe um corpo chamado Universo ou, como quiser, Deus.

Quando alimentamos sentimentos destrutivos como ódio, mágoa, rancor e outros do gênero, nos tornamos hipócritas ao professarmos uma determinada religião como “obra do amor”, ao defendermos a ética, a moral, enfim, o bem. Enfim, o rancor é um lixo que alguém jogou da janela de um carro em uma via pública.

Temos algumas opções ao vermos uma cena desagradável como essa:

  • Jogar o lixo de volta para dentro do carro, dando o troco e criando um desequilíbrio ainda maior nos nossos sentimentos e nos sentimentos do outro, que talvez, nem tivesse noção do que tivera acabado de fazer, por não ter uma educação apurada como a nossa;
  • Pegar e colocar o lixo no bolso e lavá-lo para casa, permitindo que o mesmo suje nossa roupa enquanto o carregamos;
  • Ou pegá-lo e jogá-lo em um lugar apropriado, que é um cesto de lixo onde, dali, irá para algum ponto que não nos lembraremos mais.

Se você acha importante, informações como essa, mantenha-se antenado ao nosso blog, compartilhando com as pessoas que você conhece e que estejam precisando ou buscando mais amor, em suas vidas. Sinta os Benefícios do Amor.

Como se comportar em situações de conflito

Inicio essa publicação, expondo minha definição sobre o termo “conflito”: o conflito é a divergência de interesses, opiniões, visões de mundo, enfim, o choque entre dois “modelos mentais” diferentes, no momento em que há uma disputa pela razão no lugar de uma busca por solução. Então como se comportar em situações de conflito?

1 – O que leva ao conflito ?

O principal fator gerador de uma situação conflituosa é a inflexibilidade de uma ou mais pessoas, quando essa inflexibilidade almeja simplesmente a imposição de uma ideia ao invés da exposição da mesma para encontrar algo maior que as próprias aspirações em uma determinada circunstância: a construção de algo que beneficie ao conjunto maior e aos anseios desse conjunto. Os interesses coletivos devem ser priorizados em relação aos interesses individuais.

Talvez, ao ler esse texto até aqui, você possa estar pensando: “mas isso, grande parte das pessoas já sabe”. Se isso passou pela sua mente, eu deixo a seguinte pergunta: então, porque os conflitos são uma constante na vida das pessoas ?

A resposta está no que chamamos de “modelo mental”. Podemos definir o “modelo mental” como o Universo exclusivo, único e infinito, existente entre suas duas orelhas.

Em outras palavras, o “modelo mental” é a maneira como uma pessoa interpreta o mundo à sua volta, dando significado aos fatos segundo suas próprias experiências anteriores, uma vez que não percebemos o mundo como ele é, mas como nós somos e estamos em um determinado momento da nossa vida.

Tudo o que você viveu até esse momento da sua vida, construiu seu “modelo mental”. Tudo o que você associou à “dor” ou “prazer” na sua jornada chamada vida, o solidificou.

Vamos entender melhor:

2 – Filtro G.O.D.

Todos nós temos nosso filtro G.O.D.. Esse filtro é uma barreira que busca dar significado à uma situação, embasado em tudo o que vivemos no passado. O acrônimo G.O.D. significa: Generalização, Omissão e Distorção.

Entendendo melhor:

Generalização: costumamos generalizar algo com embasamento em experiências anteriores. Ex.: “todo muçulmano é terrorista”, “todo político é desonesto”, etc..

Ao generalizarmos, colocamos inconscientemente, uma barreira para nossa flexibilidade e boa vontade para dialogar com outras pessoas, pelo simples fato de as associarmos, de acordo com nossas experiências anteriores, às situações vividas no passado, parecidas com as vividas atualmente.

É uma gigantesca muralha para a comunicação efetiva, com grande potencial de gerar climas conflituosos, na vida pessoal ou profissional. É a matéria prima do pré-conceito, ou seja, conceituar algo previamente, sem embasamento para tal.

Omissão: omitimos parte do que queremos comunicar. Ex.: “por favor, pegue a coisa, de fazer negócio, ao lado do troço, em cima do treco”.

Muitas vezes, exageros à parte (será ?), ao comunicarmos algo, cometemos essa “aberração na comunicação”, com maior ou menor intensidade, promovendo comandos confusos para as outras pessoas, que para nós, estão muito claros. Na mente de quem omitiu várias informações na frase acima, a “coisa”, o “negócio”, o “troço” e o “treco” estavam bem definidos, mas e para a pessoa que ouviu ou leu isso ? No final das contas, essa situação costuma terminar em conflitos por falha na clareza da informação transmitida. No final, uma pessoa falou claramente sobre algo para outra pessoa que entendeu perfeitamente o que foi dito, mesmo havendo mensagens completamente diferentes na mente de cada um. Isso ocorre porque, graças à Generalizaçãoo ouvinte nesse diálogo, completou a informação omitida com o que estava no seu próprio “modelo mental”, ao invés de completar com o que estava no “modelo mental” do orador. O resultado: “mas eu expliquei tudo para você…#@&*#!”.

Distorção: após vermos a Generalização e a Omissão, criamos a base para percebemos nossa capacidade de distorcer a realidade à nossa volta graças às generalizações que fazemos, omitindo informações e completando com algo que só existe em nossa mente.

Esses três itens explicam como os conflitos geralmente se formam. Falhas na comunicação, fomentadas pelas generalizações, omissões e distorções.

3 – Como evitar ou se comportar em situações conflituosas ?

Essa resposta passa obrigatoriamente pelo desprendimento do próprio “modelo mental”, tornando-se uma pessoa mais flexível em relação às opiniões, valores e comportamentos alheios, evitando julgamentos uma vez que nós só conhecemos nossas próprias verdades, uma vez que se todos conhecessem a “verdadeira verdade” sobre algo, não haveria desentendimentos por todos acabarem concordando em tudo, em todos os momentos.

Sempre que o conflito estiver presente, faz-se necessário evitar querer ter a razão, uma vez que alguém sem essa informação que você está adquirindo ao ler esse texto, buscará “estar certo” a todo custo nessa situação. Quando uma pessoa não quer deixar de ser o “dono da verdade”, até a verdade que ele acredita pode ser distorcida para se adequar ao seu conforto emocional ao vencer uma discussão. Enfim, a mãe da arrogância. Como dizem: deixe a razão para quem a quer mais do que a felicidade e seja feliz…

O importante para sua felicidade não está na opinião alheia, mas nos seus sentimentos internos que geram emoções, que produzem comportamentos, que criam suas capacidades, proporcionando seus resultados, formando suas crenças e, finalmente, construindo sua identidade, essa sim, construtora da vida que você viverá daqui por diante, ou seja, uma cadeia de processos internos, independentes da opinião alheia. Onde estiver seu foco (em você ou nos outros), ali estará seu resultado. O resto, é uma questão de escolhas, suas escolhas: paz interior ou conflito, razão ou felicidade. O silêncio muitas vezes, pode ser o brado da sabedoria…

Mantenha-se acompanhando o nosso blog para ter acesso a mais informações como essa. Aproveite e compartilhe esse texto com as pessoas com quem você convive e conhece. Esse compartilhamento pode eliminar muitos conflitos entre vocês (rsrsrsr).

Você conhece a comunicação cognitiva?

O termo “cognição” está ligado ao processo de aquisição de conhecimento, através do processamento dos estímulos proporcionados pelo ambiente e meios de comunicação, englobando memória, raciocínio, pensamento, percepção, linguagem, etc..

A comunicação, conforme já abordei em outros textos sobre o tema, é a transmissão da emoção com uma informação embutida.
Ao somarmos comunicação e cognição, temos como resultado, a competência fundamental de qualquer orador, ou seja, uma oratória dotada da emoção nas palavras, entonação de voz e uso do corpo, somada à congruência de ideias ao mexer com a imaginação da audiência, proporcionando a melhor assimilação do conteúdo transferido, a comunicação cognitiva.
A seguir, vejamos 3 tópicos que irão ajudá-lo na sua oratória:

1 –  BALÕES MÁGICOS

Se você já leu estórias em quadrinhos, provavelmente vai se lembrar dos balõezinhos que demonstravam conversas e pensamentos.
Os balõezinhos de pensamentos podem ser descritos como uma “nuvenzinha” com três bolinhas ligando esse balãozinho à cabeça do personagem. Esse é o “Balão Mágico” que todos os seres humanos possuem.
Perceba que, na maioria dos segundos que vivemos, ou estamos nos lembrando de algo ou imaginando algo que possa vir a acontecer. Poucas vezes estamos concentrados no “momento presente”. O ser humano é um ser que, literalmente, vive no mundo da imaginação. Estamos quase que em tempo integral, voltados aos nossos balõezinhos de pensamentos, nossos “balões mágicos”.
O bom orador, palestrante, professor, enfim, comunicador, é a aquele que preenche com maior clareza, o conteúdo que a sua audiência possui em seu “balão mágico”. Saber “escrever o texto” que preencherá esse balãozinho é a grande sacada do comunicador. E como isso ocorre com maior eficiência?
Através da emoção. Conforme já abordei em outros textos, é a emoção que leva à gravação de uma informação.
A emoção, mais do que preencher o conteúdo do “balão mágico” das pessoas com palavras, preenche com imagens claras e nítidas.
O orador precisa ser um ator, usando toda a fisiologia para gerar imagens nas mentes da sua plateia, caso contrário, teremos uma oratória monótona, apática e que pouco agregará em termos de informações. Você já assistiu alguma aula ou palestra em que sentiu sono ? Se isso ocorreu, provavelmente você assimilou muito pouco sobre o conteúdo abordado.
No entanto, quando o tom de voz é variável congruentemente com o conteúdo, o corpo é utilizado nas exemplificações do que se quer passar, utilizando expressões faciais, movimentação dos braços, movimentação pelo palco ou sala, desperta-se algo muito forte na mente inconsciente, responsável pela memória de longo prazo: a curiosidade e interesse pelo diferente. É por isso que as metáforas funcionam tão bem. Quer uma prova disso ? Observe os efeitos da oratória de Jesus de Nazaré, ao falar em parábolas. Seria o acaso, a propagação e duração da sua mensagem em boa parte do planeta?
Enfim, a soma da fisiologia e metáforas resulta em uma oratória extraordinária.

2 – PLATÉIA STAFF

 Outra maneira eficiente de transmitir emoção com informação embutida, é a utilização da própria plateia para exemplificar o que se quer explicar.
As minhas palestras, cursos e treinamentos são muito interativas por causa disso. As pessoas se divertem, participam, se envolvem e ficam sempre atentas porque a qualquer momento podem ser convocadas a me auxiliarem nos exemplos que quero passar.
Esse clima de surpresas e atenção mantém a audiência conectada com o orador. A mente inconsciente fica apreensiva e atenta em busca de algo inusitado e engraçado. Funciona muito bem.

3 – TÉCNICAS EMOCIONAIS

Sempre observei, como aluno ou assistindo aulas de colegas e amigos, um enorme foco no conteúdo transmitido apenas por palavras. Isso se reflete em slides com textos extensos onde o orador quase sempre perde muito tempo lendo o que está escrito. Algo muito monótono. Se a plateia souber ler, o slide ou o comunicador poderão ser dispensados.
Uma boa utilização dos slides está ligada ao uso de imagens que deixem explícito aquilo que se quer passar, servindo apenas de guia para o orador.
Com imagens no lugar das palavras, abre-se espaço ao comunicador para que ele use a criatividade e liberdade para promover dinâmicas que levem à melhor compreensão do conteúdo, através de brincadeiras, simulações e outros recursos que acionem o “botão” da emoção e da imaginação.

INOVE COM BOM SENSO

Uma vez que nossa mente inconsciente é atraída pelo diferente, sugiro a inovação na metodologia aplicada, sempre respeitando cada ser humano, evitando o constrangimento acima de tudo e respeitando a decisão de participar ou não, por parte de cada espectador do seu trabalho.
Um grande comunicador busca enriquecer o modelo mental do outro, abrindo espaço para a flexibilidade da audiência, abrindo mão de ser o dono da verdade e evitando entrar em assuntos polêmicos que possam romper a sintonia entre plateia e orador.
Enfim, saber se posicionar respeitando as opiniões alheias.
Continue acompanhando o nosso blog, ampliando as informações do seu “balão mágico” e compartilhando com essas pessoas que vieram no seu “balãozinho” agora, essas informações tão relevantes para elas.